POR QUE O PT E A ESQUERDA NÃO PODEM DAR TRÉGUA A BOLSONARO

Rogério Correia, Deputado Federal eleito por MG

As críticas que lemos e ouvimos na grande mídia contra a postura oposicionista do PT a Bolsonaro têm um significado: as grandes empresas de comunicação querem uma oposição “light” ao governo de extrema direita que se instalou no país. Não aceitam que o PT e a esquerda sigam numa política de crítica incansável a Bolsonaro e suas ações. “Permitem” apenas pequenas mudanças, algo como “puxões de orelha” no governo, mas nada além disso.

Não podemos esquecer: essas críticas vêm da mesma turma que apoiou o golpe que pôs Michel Temer no poder, depois apoiou a prisão sem provas de Lula (condenado por um tal “ato de ofício indeterminado”, um malabarismo jurídico criado para dar um verniz “jurídico” à total ausência de provas no processo do triplex) e, por fim, apoiou, ou foi indiferente, à eleição de um político medíocre de linha fascista para a presidência da república.

O Brasil piorou desde então. O desemprego aumentou. O rombo nas contas públicas, idem. A pobreza… A fome, que foi atacada pela primeira vez apenas nos governo Lula e Dilma, está voltando às nossas rotinas.

O PT está certo quando emite sinais de nenhuma trégua a um governo claramente antipopular, que não esconde a defesa de teses neoliberais na economia, oprime as minorias e incentiva ações contra a oposição (às vezes até com o uso da violência).

Se há, na história brasileira, ao menos na história republicana brasileira desde o início do século passado, se há um governo que não permite qualquer ilusão de defesa do povo, este governo é o “chefiado” por Bolsonaro. Disso não há dúvida: o discurso e a prática do extremista no poder são inequivocamente coerentes no desprezo a qualquer coisa que cheire a povo.

Defendo, inclusive, que o PT apresente ainda mais coesão nesse discurso e nessa prática de oposição, denunciando diariamente as mazelas do governo Bolsonaro. Em todos os campos, da crítica ao medievalismo bolsonarista nos costumes ao ataque aos direitos dos trabalhadores, passando pela denúncia do neoliberalismo privatista a toque de caixa e ao desprezo aos índios, negros, mulheres e LGBTs: frente a um péssimo governo não há descanso possível.

É preciso, assim sendo, organizar melhor e mais rapidamente os movimentos sociais, políticos e populares em geral, nos preparando para as batalhas que virão pela frente.

Não podemos emitir qualquer sinal de hesitação, sob pena de confundir politicamente o povo, aquele que, ao fim e ao cabo, será o grande prejudicado pelo desgoverno que ora se inicia. Hesitações nesse momento seriam a pior resposta, uma vez que, como já dito, Bolsonaro não as permite em sua prática cotidiana proto-fascista.

O chamado a um Congresso nacional do PT, visando a essa organização, é dessa forma premente. A direção do PT precisa chamar o quanto antes esse grande congresso, numa ação coerente com a ameaça que paira sobre o país e o povo brasileiro.

Nesse último aspecto, cabe elogiar a iniciativa da presidenta Gleisi Hoffmann, que compareceu à cerimônia de posse do presidente Maduro, na Venezuela. A gravidade da situação não nos permite resquício de ilusão: há uma ameaça real de conflito armado no país vizinho, sob patrocínio dos EUA, numa conflagração que pode chegar a uma guerra.

Os americanos querem fazer da Venezuela o que tentaram fazer na Síria – um “canal” geograficamente próximo do seu território, por onde escoariam as enormes reservas de petróleo. Como fizeram na Síria, no Egito e também no Brasil, os EUA não medem esforços no incentivo às oposições locais, ainda que isso provoque o caos interno nesses países (e foi o que verdadeiramente ocorreu na Síria, no Egito e no Brasil, a partir de meados desta década). A severidade desse quadro exige repostas políticas. Não bélicas.

Por isso meu aplauso à iniciativa da direção petista de apoio à posse de Maduro. O que menos precisamos, nessa quadra delicada em que nos encontramos, é de comprar brigas com países aliados, enfraquecendo as tão achacadas democracia e soberania latino-americanas. A alternativa a isso seria aceitar, sem luta, o aumento da hegemonia americana sobre a região.

Apoiar a ida à posse de Maduro, bem como o não comparecimento à posse de Bolsonaro, é fundamental para o PT e as esquerdas, no quadro atual em que se encontra o Brasil. É preciso abandonar qualquer ilusão quanto a Bolsonaro: impossível imaginar que algum dia ele demonstrará algum respeito pela democracia. E por uma razão trivial: ele não quer democracia, ele despreza a democracia, faz e fará o possível para mina-la.

Por isso também defendo a candidatura própria do bloco popular na eleição para a presidência da Câmara. Rodrigo Maia (DEM-RJ) já demonstrou afinação irrestrita com o programa bolsonarista. A aproximação entre ele o PSL de Bolsonaro apenas reforça isso. Precisamos de uma candidatura com mensagem oposta, e de forma ampla, preferencialmente abrigando todas as legendas progressistas que quiserem se juntar a essa corrente.

Anúncios

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s