“Proteger o patrimônio dos ricos vale mais do que a liberdade de um cidadão”

Em seu voto, na sessão de 04/04/18, sobre a concessão do HC ao ex-presidente Lula, o ministro do STF, Ricardo Lewandowski, demonstra, com clareza, como o patrimonialismo é condição fundadora e estruturante da sociedade brasileira.

A cidadania é agora, sem mais cautelas, colocada em patamar inferior ao da propriedade.

Mas o que se esperar depois de vermos cassados os votos dados pela maioria nas últimas eleições presidenciais e de termos os direitos trabalhistas expurgados por um conluio nefasto.

Não satisfeitos, destituem a proteção contra o arbítrio para levar o indivíduo, agora um pária e não mais um cidadão, à condição de submissão ao capital patrimonialista.

Tudo sob o manto da retórica e de aparente legalidade.

Mais uma vez, é negada ao povo sua condição natural de protagonista.

Anúncios