ENC: NOVO CONVITE

O deputado Patrus Ananias realizará no próximo dia 15 mais uma plenária do mandato. Estarão presentes , como convidados Pedro Stédile, MST, e Gilberto Carvalho , ex-ministro do governo Lula e Dilma.

O encontro será na Escola Sindical 7 de Outubro, no Barreiro de Cima em Belo Horizonte.

Patrus Ananias

Encontre-me também no Facebook

Visite o meu Blog

Endereços: Escritório Político Minas: Rua Padre Rolim,239, Santa Efigênia, BH-MG.

· Câmara dos Deputados Gabinete: 720 – Anexo: IV Brasília – DF

CONVITE PLENÁRIA.pdf

Anúncios

Frente proposta por Patrus defenderá a soberania do Brasil contra o entreguismo

https://encrypted-tbn0.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcR0okXerHe3dn7Lx12SHdDA3m8HQF9jpBPSn76oLfEUMOPpkR9TQQ

Frente proposta por Patrus defenderá a soberania do Brasil contra o entreguismo

Proposta pelo deputado federal Patrus Ananias (PT-MG) e apoiada por mais de 200 deputados e 18 senadores, será instalada na próxima quarta-feira, dia 21, a Frente Parlamentar Mista em Defesa da Soberania Nacional, em meio à adoção de algumas medidas e ao anúncio de uma série de outras, pelo governo e por seus patrocinadores e aliados, consideradas por segmentos do Congresso e da sociedade como atentatórias à soberania do Brasil.

É o caso dos desmontes da Petrobras, da infraestrutura, da pesquisa e da tecnologia; do crescente esvaziamento da indústria nacional; da liberação da venda de terras para estrangeiros; da internacionalização dos serviços públicos essenciais, como saúde e educação; da abertura do país ao oligopólio internacional de sementes e insumos agrícolas; e do retorno do governo brasileiro uma política externa submissa.

O manifesto de criação da Frente, que terá o senador Roberto Requião (PMDB-PR) na presidência e o deputado Patrus Ananias na secretaria-geral, anuncia que suas ações defenderão:

– a exploração eficiente dos recursos minerais, entre eles o petróleo, e a construção de infraestrutura para promoção do desenvolvimento do país;

– a contribuição da agricultura para a alimentação do povo e para as exportações;

– o capital produtivo nacional e um sistema de crédito que o favoreça;

– o emprego e o salário do trabalhador;

– um sistema tributário mais justo;

– a capacitação das forças armadas para a defesa da soberania;

– e uma política externa independente.

A comissão executiva da Frente reúne, além de Requião e Patrus, o deputado Glauber Braga (Psol-RJ), secretário de eventos e mobilização; a senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM) e os deputados Celso Pansera (PMDB-RJ), Afonso Motta (PDT-RS) e Odorico Mon teiro (PSB-CE), vice-presidentes.

O ato de lançamento, na tarde de 21 de junho, terá a participação dos ex-ministros Luiz Carlos Bresser-Pereira e Celso Amorim, dois dos signatários originais do Projeto Brasil Nação, que contém cinco propostas econômicas, foi lançado por intelectuais no fim de abril e chegou à metade de junho subscrito na internet por mais de 10 mil pessoas. Frente proposta por Patrus defenderá a soberania do Brasil contra o entreguismo

Enviado do meu telefone Windows 10

Participe do ato pela anulação do impeachment em Brasília!

Fonte: Participe do ato pela anulação do impeachment em Brasília!

Para especialistas BH ativos é ilegal.

Enviado do meu telefone Windows 10

https://gallery.mailchimp.com/c794768ee8c649c44572a7a65/images/d55e0253-bacb-415d-8962-0edbec2e86af.jpg

Técnicos confirmam: PBH Ativos S/A é inconstitucional

Na última segunda-feira, a CPI da PBH Ativos S/A iniciou as oitivas e foram convidados para falar sobre o assunto a auditora fiscal Eulália Alvarenga, o professor e economista Diércio Ferreira e o presidente do Movimento das Associações dos Moradores de BH, Fernando Santana.

Tanto a auditora Maria Eulália quanto o economista Diércio Ferreira foram unânimes em apontar as diversas irregularidades e falta de transparência na implantação e exercício da PBH Ativos. Empresas congêneres com atuação semelhante à PBH Ativos e em diferentes partes do país têm sido suspensas pelo Tribunal de Contas da Uni

Marianna Dias é a nova presidenta da UNE

Eleita pela maioria dos delegados do 55o Congresso da UNE, encerrado neste domingo (18), em Belo Horizonte, 79%, Marianna Dias é a nova presidenta da UNE.
Estudante de Pedagogia da Universidade Estadual da Bahia (Uneb), tem grande experiência no movimento estudantil. Integrou o diretório acadêmico de Pedagogia da Uneb, presidiu a União dos Estudantes da Bahia (UEB) e era diretora de Relações Internacionais da UNE. Integranteta da União da Juventude Socialista (UJS), organização juvenil que encabeçou o movimento Vem Quem Tem Coragem que uniu diversas correntes do movimento estudantil para participar do 55o Conune.
Para Marianna, os estudantes são chamados a cumprir mais uma vez seu papel histórico e lutar em defesa da democracia, “o momento que o Brasil vive exige que as forças democráticas e populares se unifiquem”, destaca.
Ao assumir como presidenta da UNE, Marianna coloca três grandes desafios no campo político. O primeiro é fazer com que as pessoas acreditem na política. “Quando as pessoas deixam de acreditar que a política pode transformar a vida delas, a gente tem mais dificuldade de estabelecer mudanças no Brasil”, afirma a lider estudantil. Para ela, a política não pode ser vista como sinônimo de sujeira, de corrupção, de coisa ruim. É essencial disputar a consciência dos jovens, dos estudantes, no próximo período, acredita. O segundo, é fazer muita mobilização e colocar muito estudante na rua. O objetivo é “barrar os retrocessos, o avanço desse projeto que não foi aprovado pelas urnas no Brasil”, afirmou. E o terceiro desafio é contribuir para que a democracia seja restabelecida no Brasil através do voto. Segundo Marianna, “a UNE tem feito uma campanha muito grande pelas Diretas Já, mas a próxima gestão terá ainda mais responsabilidade de falar sobre isso”.
Destacou, ainda, que o Brasil conseguiu construir um país melhor, em situação de quase pleno emprego, de democratização da universidade, como demonstrava a cara do congresso estudantil. Nordestina, citou a transposição do Rio São Francisco, que levou água para o Nordeste. “Eu sei e o meu povo do Nordeste sabe que a fome e a miséria, que a seca e a fome não podem ser a cara do Brasil”, afirmou.
Ao encerrar seu discurso, a nova presidenta afirmou: “nós somos os estudantes e este congresso da UNE representa a esperança que o povo brasileiro pode ter numa juventude que não abandona o Brasil, que não abandona a luta política, que acredita que através da unidade nós construiremos futuro melhor. Viva a Frente Brasil Popular! A unidade é a bandeira da esperança e nós somos a esperança do Brasil. A UNE somos nós, nossa força, nossa voz”.

mídia

Belo Horizonte 16/06 Praça da Estação

Enviado do meu telefone Windows 10

O arraiá da conformidade.

O manifesto virou festança.

Tem pipoca, canjica e caldinho de feijão.

Tem música, tem pula-pula.

Em pleno golpe, é só alegria.

Uma alegria linda, ensaiada, coreografada, que espanta qualquer bom espírito de luta.

Xô revolta! Xô manifesto! Xô brava gente!

Aqui tem música, ritmo de festa e beijo na boca.

Quem quiser, pode chegar e gritar junto o slogan do produto.

Merchandising.

O segredo do sucesso desse golpe é a propaganda enganosa.

É verdade. Ninguém dispensa a praticidade.

O mundo moderno pede menos diálogo e mais refrão.

Sejamos práticos.

"Tomamos um golpe. Bem feito! O povo tem que aprender a perder"

Agora, vamos comemorar juntos toda a má-vontade, toda a despolitização das massas, toda a pressa de virar a página.

O golpe acabou?

Não. O golpe quer e vai durar mais que o último.

Líderes de vendas, correm espantar a concorrência.

Xô democracia!

Vamos enxotar a consciência política com analgésicos de alegria, minha gente!

Tá na moda o vintage. Volvemos a la 1984.

Bora festejar com Boulos, Carina e Ciro! Tirar um belo retrato desse momento de rara confraternização do silêncio e do conformismo pra dizer, daqui há 30 anos:

"Eu estava lá quando a resistência popular foi golpeada por lideranças que vendiam produtos vencidos". Texto de Malu Aires do Comitê pela Anulação do Impeachment sobre manifestação de 16/06.

Enviado do meu telefone Windows 10

Em Belo Horizonte festa pela democracia

Dilma Rousseff é homenageada em BH

Enviado do meu telefone Windows 10

Prefeitura de BH abandona negociação com comunidade da Serra

https://i1.wp.com/www.ocontornodebh.com.br/wp-content/uploads/Bus%C3%A3o-da-comunidade-326x235.jpg
Fonte: Busão da Comunidade

Nessa segunda feira, 05 de junho 2017, em nota o movimento social Tarifa Zero BH denunciou o recuo da Prefeitura de Belo Horizonte em relação a criação da nova linha de ônibus para Aglomerado da Serra.

O impasse acontece após 6 meses de negociação sobre melhorias no sistema de transporte público da região.

Na última quinta-feira, dia 1º de junho, representantes da Empresa de Transportes e Trânsito de Belo Horizonte, BHTrans e do Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros de Belo Horizonte, Setra BH estiveram em assembleia com os moradores do Aglomerado da Serra para dar andamento à criação de uma nova linha de ônibus na região. Na ocasião, porém, a BHTrans voltou a não apresentar uma proposta que atenda as demandas apresentadas pela população.

Moradores e movimento (Tarifa Zero BH) trabalham pela criação de uma nova linha de ônibus, apelidada de Busão da Comunidade, desde agosto de 2016. A linha proposta liga a Praça do Cardoso até a estação de Metrô Santa Tereza, passando pela Avenida do Cardoso e pela Avenida Mem de Sá. A ideia é que essa nova linha faça parte do Programa Melhoria da Mobilidade para Moradores de Vilas e Favelas de Belo Horizonte, criado pela BHTrans em 2005 com o objetivo de oferecer linhas de micro-ônibus a tarifas acessíveis para conectar vilas e favelas ao sistema de transportes público. Hoje, apesar dos últimos aumentos, o preço é R$ 0,90.

 A comunidade vem se mobilizando desde então por meio de reuniões, assembleias, abaixo-assinados, eventos e diversas atividades, como os dias em que um ônibus realizou o trajeto proposto de forma gratuita, a fim de que os moradores pudessem experimentar e avaliar a proposta. No dia 20 de janeiro, um ônibus cheio de moradores do Aglomerado da Serra foi até a sede da BHTrans, no bairro Buritis, para entregar as mais de 4 mil assinaturas colhidas e o pedido da criação da linha.

 Em fevereiro, houve retorno da BHTrans com uma contraproposta: a implementação de uma linha, com mesmo trajeto, mas com tarifa de R$ 2,85 e não de R$ 0,90, e a ampliação da linha 107, que já circula no Aglomerado. Em um processo participado e amplo, a partir de uma série de reuniões e assembleias públicas, a comunidade decidiu continuar lutando pela nova linha a R$ 0,90, mas aceitar a ampliação do 107. Essa ampliação não poderia ocorrer sem um aumento do número de veículos – para evitar lotação e espera ainda maiores em uma linha já sobrecarregada. Decidiu-se, portanto, pelo estabelecimento de uma Comissão Popular para acompanhar a ampliação, com a qual a BHTrans, por meio de seu presidente, concordou.

 Em assembleia pública no Aglomerado, no dia 11 de maio, a própria BHTrans apresentou à população a proposta de ampliação da linha 107 sem, contudo, oferecer prazos sobre o tempo de implementação.

 Na reunião mais recente, na última quinta-feira, dia 01/06, porém, o representante da BHTrans, Sérgio Carvalho, e o representante do Setra-BH, Sérgio Cordeiro, retiraram a proposta de ampliação da linha 107, que já havia sido aceita pelo órgão, e disseram que só poderiam realizar a linha original por R$ 2,85. Apesar da pressão de todos presentes, os representantes da empresa e do sindicato se esquivaram das respostas e não marcaram prazo para qualquer tipo de acordo.

 Os moradores do Aglomerado e o movimento Tarifa Zero BH ficaram desapontados com a falta de diálogo e determinação da BHTrans e do Setra-BH em ouvir a população a respeito das suas dificuldades de mobilidade, indicando representantes sem poder de decisão para participar de reuniões e recuando constantemente das propostas apresentadas – inclusive pela própria instituição. É marcante a forma errática como a BHTRANS tem atuado, sem informar previamente de suas propostas e buscando com isso chantagear a comunidade, ao não apresentar possibilidades de diálogo e negociação.

 A atual gestão se vangloria de abrir portas a um suposto diálogo quando, na verdade, apenas repassa informações decididas internamente sem conseguir responder às demandas da população.